«

»

Oposição X Situação. Onde você está nisso tudo?

braco_de_ferroGovernabilidade é o conjunto de condições necessárias ao exercício do poder. Compreende a forma de governo, as relações entre os poderes, o sistema partidário e o equilíbrio entre as forças políticas de oposição e situação. Diz respeito à capacidade política de decidir. A Governabilidade expressa a possibilidade em abstrato de realizar políticas públicas. Governança é a competência do governo de praticar as decisões tomadas ou, em outras palavras, a capacidade de governo pela qual a autoridade é exercida, de modo a propiciar as condições financeiras e administrativas indispensáveis à execução dos arranjos que o governo adota.

Governança é transformar o ato governamental em ação pública, articulando as ações do governo. Sem condições de Governabilidade é impossível uma adequada Governança.

Nota-se, portanto, que Governabilidade tem a ver com estrutura e Governança com processo. A primeira significa a existência de um arcabouço político, jurídico e social que permita a elaboração e o implemento de políticas públicas. A segunda, a capacidade do governo de bem administrar, articular os diversos interesses existentes e efetivamente implantar essas políticas.

Dito isso, vamos à Governabilidade e neste caso temos a grande lacuna, a relação da oposição e situação. Para a situação tudo está certo. Para a oposição tudo está errado. A oposição é a pedra. A situação é a vidraça. A base aliada joga junto quando interessa. Governo e oposição, dois lados da mesma moeda que dificilmente caminham na mesma direção. Em tempo de eleições a situação (governo) conta o que fez e a oposição conta o que faria se fosse situação. Quando a oposição passa a ser situação, o que acontece?

Maquiavel afirma, que a política tem pelo menos duas caras. A que  se expõe aos olhos do público e a que transita nos bastidores do poder.

O jogo é totalmente democrático, e muito válido por sinal, é como uma balança que contrapõe garantindo que a ação tomada por cada lado seja fiscalizada e justificada diante da legalidade política.

Mas, e o povo como fica nessa situação? Um mal da política, quer dizer, da política não, dos políticos investidos em cargos eletivos que infelizmente se preocupam apenas em combater o lado oposto, esquecendo do maior compromisso que tem na vida pública, ou seja, propor/apoiar/debater projetos e atos políticos administrativos para o bem estar da sociedade.

A população não está preocupada com “quem é quem”, ou, “de que lado está”, simplesmente quer o desenvolvimento e progresso de seu bairro, cidade (…). Desejam fervorosamente, que o “braço de ferro” disputado entre “vidraça e pedra” seja o mais breve possível, que o entendimento seja alcançado, e por fim o melhor surja no desenrolar político.

Situação e oposição que não conversam, ou não mantém um canal de diálogo estão fadados a comprometer a governabilidade, e isso pode acontecer com a própria base aliada, pois se o governo não discutir com os políticos de diferentes partidos que mantém a maioria, coloca em “xeque” a governança.

Os cidadãos e cidadãs não toleram mais a ineficiência política, a ineficaz maneira de administrar, já entendem perfeitamente que existem dois lados, mas em se tratando de política social o braço de ferro precisa virar um aperto de mão.

2 comentários

  1. jomar Luiz bellini

    parabéns mais pessoas deveriam ler e aplicar. Jomar Bellini.

    1. Samuel Oliveira

      Realmente Jomar, mas como entusiasta convicto, ainda tenho esperanças, rs, sei que concorda comigo. Obrigado por comentar, grande abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *